Qual é a estrutura de empresa mais adequada para seu negócio nos EUA?

Na EXPAT Consulting, não existe prioridade mais alta do que o nosso cliente. Por isso, tomamos as medidas necessárias para que nossos clientes se sintam confiantes na decisão de abrir uma empresa nos Estados Unidos. Para que isso seja possível, um entendimento básico das estruturas empresariais Americanas é recomendável.

Existem cinco estruturas de empresa principais: Sole Proprietorship, Partnerships, Corporations, Limited Liability Company (LLC) e Subchapter S Corporations (S Corp). Cada uma dessas estruturas têm seus prós e contras e também suas particularidades.

Começando pela Sole Proprietorship, que pode ser traduzida como sociedade unipessoal (sem levar em consideração as características desse tipo de empresa no Brasil). A Sole Proprietorship é um dos tipos de empresa mais comum nos Estados Unidos. Sua principal característica é o fato de que ela é aberta por apenas uma pessoa física ou jurídica, sem parceiros. A grande desvantagem dessa estrutura empresarial é a responsabilidade legal do indivíduo perante a empresa, chamado de “liability” nos Estados Unidos. Isso significa que o empresário se torna responsável por quaisquer dívidas contraídas pela empresa, colocando em risco bens pessoais como por exemplo casas, carros, terrenos, etc. Considerando questões tributárias, a Sole Proprietorship tem a relativa vantagem da simplicidade: as “taxes” são feitas em conjunto com o 1040, que é o formulário de imposto de renda que todos no país (em teoria) devem completar e submeter ao IRS (Internal Revenue Service, órgão equivalente à Receita Federal no Brasil). A desvantagem é a chamada “Self-Employment Tax” que se refere aos impostos pagos em cima de lucros da empresa Sole Proprietorship, que são altos: 15.3%.

A próxima estrutura de empresa se chama Partnership, melhor traduzida como “Sociedade”. Neste modelo empresarial, existem duas ou mais pessoas responsáveis pela empresa, e fazem suas devidas contribuições baseados no acordo feito entre as partes. Os lucros, dividendos, e despesas são divididos entre os empresários, variando na porcentagem dependendo do contrato.

A estrutura seguinte, chamada Corporation (em português, corporação) é mais complexa do que as outras. Ela envolve mais regulações e também mais requerimentos tributários. Por exemplo, além de cobranças de imposto de renda no nível estadual, também existem cobranças no nível federal, fato que resulta em mais pagamentos de impostos. Um dos benefícios desse modelo empresarial é a relativa proteção aos bens dos sócios. Diferente do Sole Proprietorship, numa corporação seus bens pessoais estarão protegidos em caso de dívidas recorrentes.

O próximo modelo é um dos mais usados por estrangeiros (fato que não significa que é o melhor ou mais adequado) chamado Limited Liability Company, traduzido de forma literal para Companhia de Responsabilidade Limitada. Esse modelo empresarial tem como característica primordial a proteção ao indivíduo por trás da empresa, seja para ações judiciais ou penhora de bens por conta de dívidas. Um dos maiores motivos para a utilização desse tipo de empresa é para abrigar imóveis de aluguel. Situações que são passíveis nesse ramo, como por exemplo problemas com empreiteiros, inquilinos, e convidados de inquilinos serão protegidos pela LLC. Em questões tributárias, o LLC pode não ser a melhor opção dependendo do seu negócio. Para investimentos (renda passiva) é ideal. Para negócios operacionais, como uma empresa de limpeza de casas, ou um restaurante, talvez não seja a melhor das opções por conta de obrigações tributárias.

A última das estruturas é bastante interessante, mas infelizmente só pode ser utilizada por residentes permanentes dos Estados Unidos (aqueles que possuem Green Card). Essa estrutura é uma variação de uma Corporation, chamada S Corporation. Um dos grandes benefícios desse modelo empresarial é que ele possui a mesma proteção de liability que uma LLC proporciona. Além disso, esse tipo de empresa é um dos mais eficientes em questão de economia tributária. Levando em consideração os custos de manutenção dessa estrutura, observa-se que ela beneficia mais aqueles que geram renda líquida de no mínimo trinta mil dólares anuais. Outra vantagem desse modelo é a possibilidade de criar crédito empresarial. Ou seja, criar uma linha de crédito em nome da empresa, ao invés do indivíduo. Isso pode se tornar algo de extrema importância se for utilizado com cautela e responsabilidade.

No final das contas, é importante levar uma variedade grande de aspectos em consideração na hora de abrir uma empresa nos Estados Unidos.

Para evitar erros e altos custos, faça uma consulta com os consultores da EXPAT e sinta a liberdade e a confiança de ter profissionais competentes aconselhando e auxiliando esse passo importante na vida dos expatriados brasileiros.



Deixe uma resposta

Top